Baixa autoestima e bullying: uma relação estreita

A avaliação subjetiva que uma pessoa faz de si mesma como sendo intrinsecamente positiva ou negativa em algum grau é o que, de acordo com Gregg e Seidikes (2003), chamamos popularmente de autoestima. Este conceito trás à tona algumas reflexões importantes e que se relacionam intimamente ao nosso bullying.

Para começar, trata-se de uma avaliação subjetiva. Assim sendo, os critérios utilizados para realizá-la são pessoais e inquestionáveis. É possível buscar entender os motivos que levam alguém a ser tão severo consigo mesmo na busca de autoaprovação ou autoaceitação. Questioná-los, entretanto, seria tentar diminuir ou relativizar as convicções ou sentimentos da pessoa sobre si mesma, e não temos esse poder.

A baixa autoestima está relacionada à capacidade de se tirar proveito positivo dos relacionamentos sociais. Para a articulista Gabriela Cabral [s.n.t.], da equipe Brasil Escola:

A baixa autoestima é o sentimento que se manifesta em pessoas inseguras, criticadas, indecisas, depressivas e que buscam sempre agradar outras pessoas. […] Nessa contribuição, não critique, não culpe, não rejeite, não humilhe, não frustre e não exponha à perda. Ao contrário, pode-se contribuir com incentivos que levam a criança a se conhecer, a se gostar, a perceber suas qualidades e a acreditar que é amada e respeitada.

É preciso interromper o pensamento estúpido e sem fundamento de que as pessoas têm noção de que tipo de impacto aquilo que falam ou fazem com outras em situações de bullying ou qualquer tipo de humilhação pode gerar. Ninguém pode administrar a dor que uma pessoa está sentindo, apenas ela mesma. É o agressor que tem condição de agir para impedir esse sofrimento. É peciso parar com o bullying, antes que seja tarde.

Referências:

CABRAL, Gabriela. Autoestima. [s.n.t.]. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/psicologia/autoestima.htm>. Acesso em: 11 abr. 2011.

GREGG, A. P.; SEIDIKES, C.. Portraits of the self. In: COOPER, J.; HOGG, M. A. (Org). The sage handbook of social psychology. Londres: Sage Publications, 2003.

Anúncios

Sobre alvarodyogo

Jornalista, ator e questionador. Ainda tentando compreender o impacto e o poder da comunicação na sociedade. Gostaria de poder ser como Peter Pan. Crescer é deveras chato.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s